quarta-feira, 23 de outubro de 2019

DICA DE FILME: Excalibur

Tudo bem?

Neste post, inquiri você qual é o seu Santo Graal. Mas o que é isso?

O Santo Graal costuma ter dois significados: o cálice usado por Jesus Cristo na Última Ceia; segundo a cultura celta (lenda do Rei Arthur), um objeto que tem o poder de dar vigor e vida às pessoas. Veja mais aqui.

Em sua acepção mais popular, seria algo buscado por todas as pessoas em vida que representaria a felicidade suprema. Para alguns, é uma utopia, para outros, algo possível, mas extremamente difícil de ser encontrado.

Meu caro leitor já deve ter notado que gosto bastante de História (veja aqui e aqui). Sou um fã da lenda de Rei Arthur e os cavaleiros da Távola Redonda. Já li algumas obras e já vi alguns filmes.

Para mim, a película que melhor soube representar a história no cinema foi Excalibur de 1981. Houve outras tentativas de contá-la, mas acho que nenhuma alcançou o patamar de Excalibur. Primeiro, porque o filme é mais cru, realista, não tendo apelado para efeitos especiais sofisticados. Segundo, porque usou locações reais típicas do Reino Unido (como ele é lindo), tendo desprezado cenários montados em estúdio; e, alfim, por ter conseguido criar uma junção perfeita entre a épica história e a música poderosa de Richard Wagner (sou um fã de sua obra).

Há diversos momentos memoráveis no filme, como este:



Não vou dar spoiler, mas o final é poderoso e muito marcante.

O trailer segue abaixo.



Leia os outros posts deste espaço como este e aqueles em que me apresento (os primeiros do blog). Você irá notar que não tenho a pretensão de posar como uma espécie de super-herói, pelo contrário, mostro que sou muito falível e repleto de defeitos e fraquezas. E talvez por isso, eu goste tanto de Excalibur, pois retrata a figura do Rei Arthur de uma maneira bem realista. Não é um Deus, apenas um indivíduo, cheio de conflitos internos e dúvidas, que por circunstâncias da vida, sem nenhum tipo de prévio preparo, foi colocado em um posto com grande representatividade de poder e, consequentemente, repleto de enormes responsabilidades. E nem sempre foi capaz de lhe dar bem com as circunstâncias apresentadas. Assim, é a vida de todos nós.

Se já assistiu, comente. Se não, veja e dê sua opinião.

"One land, one king".

Continuamos nosso bate-papo no próximo post.

Se o conteúdo do site lhe agrada, não deixe se se inscrever como seguidor para receber aviso a respeito de novas postagens.

Até mais!

2 comentários:

Deixe seu comentário. Mensagens desrespeitosas serão sumariamente excluídas. Críticas construtivas e sugestões são muito bem-vindas.